Palestra Daniel Perini, Artur De Leos – Como pensar a mobilização política nas redes sociais?

27 de março de 2010

Quem não se lembra das manifestações que ocorreram por todo país, em 1983, pelas “Diretas-Já”, ou dos “Caras Pintadas”, em 1992, que lutavam pelo impeachment do então presidente, Fernando Collor de Mello. Mobilizações sociais, estas, da história recente do país, são exemplo de cidadania e defesa dos direitos de uma nação.

Hoje, com as novas tecnologias de comunicação, grande parte de mobilização social vem ocorrendo via internet; através das redes sociais. Segundo um estudo elaborado pela Universal McCann, o Brasil era, até 2009, o quarto país com maior utilização das redes sociais. No ano passado, 69% dos internautas brasileiros pesquisados disseram ter perfis em redes sociais. Enquanto você lê esse texto, inúmeras pessoas se cadastram em alguma rede social na internet.

Segundo dados divulgados pela empresa responsável pelo Twitter, o microblog tem, diariamente, 50 milhões de mensagens (Tweets). Dois grandes eventos políticos que demonstram o poder dessa rede social para a mobilização mundial são a crise no Irã após as eleições de 2009 e a crise que abalou o Senado Federal, no final do ano passado, com o caso de nepotismo envolvendo o Presidente da casa, José Sarney.

No caso do Irã, a divulgação dos resultados da eleição de 2009 deflagrou protestos que, aos internautas iranianos enviar para o mundo, via durante algum tempo, contaram com a cobertura da imprensa internacional. Quando os jornalistas internacionais começaram a ser censurados e mesmo expulsos do país, coube Twitter, o relato dos fatos que ocorriam, diariamente, em seu país. Já no caso do Senado brasileiro, o movimento “Fora Sarney” esteve entre os mais comentados assuntos do microblog, ao mesmo tempo em que manifestações nas ruas atraíam pouca gente.

Para debater sobre a mobilização social via internet, o projeto Estação Pátio Savassi, convidou o sociólogo, Daniel Perini e o especialista em Gestão de Projetos Culturais, Artur De Leos, para ministrarem a palestra “Como pensar a mobilização política nas redes sociais?”.
O evento será neste sábado, 27 de março, a partir das 11h, no anfiteatro (L2) do Pátio Savassi (Av. do Contorno, 6061 Savassi). O objetivo é entender até que ponto as mídias sociais são capazes de interferir na esfera pública e de influenciar na agenda política.

Para o sociólogo, Daniel Perini, o Twitter tem despontado como uma importante ferramenta para mobilizar as pessoas. “Mobilização é uma ação coletiva e a internet diminuiu esse custo de participação. Essas ferramentas permitem que o internauta converse com muitas pessoas ao mesmo tempo, sem sair casa. A internet abriu um espaço novo que é muito democrático”, afirma Daniel.

Artur De Leos acredita que a agilidade e instantaneidade, na qual a informação é propagada por essas ferramentas de comunicação, são as principais vantagens da mobilização online. “A rede tem força para mobilizar jovens, ao mesmo tempo em que coloca os políticos sob análise, tudo em tempo real e as pessoas respondem imediatamente. Além do mais, a internet é descentralizada, há muitos agentes. Então o boicote (ao movimento) vai ser feito por quem?”, questiona Artur.

Para eles, a tendência de um movimento que tem relevância e nasce na internet é sempre crescer. A proposta do encontro promovido pela Estação do Saber e pelo Shopping Pátio Savassi é relatar e refletir sobre as experiências políticas vividas pelos palestrantes, apresentar ferramentas virtuais contemporâneas e questionar colaborativamente o alcance dessas possibilidades na vida cidadã.

Sobre os palestrantes
Daniel Perini é bacharel em Ciências Sociais pela UFMG e pós-graduando em Avaliação de Projetos Sociais pela mesma instituição. É fundador da ONG Contato – Centro de Referência da Juventude onde, entre 2001 e 2008, elaborou e executou projetos de geração de renda, cultura e inclusão digital voltados para a juventude. Foi membro titular do Conselho Nacional de Juventude (2005-2008) e presidente do Conselho Municipal da Juventude de Belo Horizonte. Atualmente é orientador assistente do Programa “Peas Juventude” (Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais) e faz parte do núcleo de ativação de rede do programa “Vivo Lab”.

Artur de Leos é bacharel em Fotografia pela Faculdade de Comunicação e Artes do SENAC SP especialista em gestão de projetos culturais pela USP. Atualmente é Coordenador da área de Imagem do Projeto REPIA (Residência de Pesquisa Interdisciplinar Avançada). Participa ativamente como animador de redes colaborativas de produção de conteúdo para a internet televisão, colaborando dentro da rede dos Pontos de Cultura do MINC e do Núcleo de Ativação da Rede “Vivo Lab” e desde 2007 atua como conselheiro da ONG Fábrica do Futuro.

Estação Pátio Savassi
O projeto é uma realização da Estação do Saber e do Shopping Pátio Savassi, com curadoria de Júlia Ramalho Pinto. Em seu quinto ano de existência, conta com patrocínio da CEMIG, Governo do Estado de Minas Gerais, Governo Federal, Ministério da Cultura e Lei Rouanet. As palestras são sempre aos sábados e gratuitas, onde se discutem temas contemporâneos com a participação de intelectuais, escritores e profissionais renomados, numa agradável conversa nas manhãs de sábado.

As palestras poderão ser acompanhadas através do Twitter (Julia Ramalho Pinto www.twitter.com/arpjulia) com postagem de frases e comentários ao vivo das apresentações. Ainda em fase de teste, o evento está sendo transmitido via Ustream na página da Estação do Saber www.estacaodosaber.art.br.

3 comentários

  1. Neide Freitas disse:

    Bom Dia!

    excelente

  2. @criticarbh disse:

    Eita #BH que vai ficar linda (ainda mais)
    =)
    #webcidadania

Deixe um comentário