XIV Jornada da Escola Brasileira de Psicanálise – MG

18 de setembro de 2009

Nos dias 16 e 17 de outubro de 2009, das 9h às 13h e das 15h às 19h, vai realizar-se em Belo Horizonte, no Hotel Mercure, na Av. do Contorno, 7315, a XIV Jornada da Escola Brasileira de Psicanálise – Seção Minas Gerais (EBP/MG), em torno do tema Depressão e Bipolaridade: Transtorno ou dor de existir? Escolhemos este tema a partir da constatação de que houve uma profunda e significativa mudança na relação das pessoas com as classificações psiquiátricas, que hoje chegam a dar o tom de suas vidas. Se em outros tempos um diagnóstico psiquiátrico, produzia no mais das vezes mal estar e vergonha, era algo a se esconder, hoje ele é ostentado como um emblema, um modo de viver e de se fazer reconhecer. Quais teriam sido os motivos para tamanha inversão de valores?

O mundo científico entrou definitivamente na vida das pessoas. Na sociedade globalizada é praticamente impossível escapar a seus efeitos. Estes por sua vez, têm como conseqüência, a queda do valor da função da fala do sujeito. Desta forma, o mundo científico colocou o corpo em evidência, produzindo um esvaziamento do sentido, o que é acompanhado pelo empobrecimento concomitante da clínica. No campo da psiquiatria vimos a complexidade clínica ser substituída pelos métodos quantitativos e pela lógica biológica. Nesse campo, os levantamentos estatísticos, os protocolos e questionários dispensaram a fala e a singularidade de cada sujeito. Se a psiquiatria de hoje aborda o corpo em sua vertente biológica e contábil, mantendo o sujeito fora da cena; de forma distinta, a psicanálise enfrenta este esvaziamento do sentido, tomando o corpo como lugar de gozo. A partir de Lacan, na civilização que tem o objeto a no seu zênite a noção de sinthoma é o norte que pode orientar os psicanalistas diante dessa nova realidade. O sinthoma é a maneira singular como cada sujeito goza do inconsciente que o determina.
Se a psicanálise se fez herdeira de conceitos da psiquiatria de outrora, no que diz respeito aos conceitos oriundos da lógica quantitativa e biológica de hoje a relação da psicanálise e da psiquiatria é marcada principalmente pela exterioridade. Não podemos desconhecer, entretanto, que na atualidade, os conceitos psiquiátricos constituíram-se em fatos da vida cotidiana. Não precisamos estar no espaço restrito de um consultório para ouvirmos as pessoas afirmarem, algumas vezes com um indisfarçável orgulho, que são portadores de algum transtorno. “Eu sou bipolar” ou “sofro de depressão” podem ser escutados nos locais mais diversos, de uma fila de supermercado a uma conversa com o motorista de táxi.

Quando a Seção Minas da Escola Brasileira de Psicanálise propõe-se a discutir em sua XIV jornada os conceitos: Depressão e Bipolaridade, nosso intuito é, antes de qualquer outro, fazer uma leitura cuidadosa dessa realidade já anunciada por Lacan, bem como formalizar caminhos e estratégias para o psicanalista, seja em sua clínica, seja em sua ação política.
Aqueles que reconhecem que há dor em existir, que apostam na psicanálise, na possibilidade que ela tem de propor ao mundo uma clínica, um laço social que se distinga das formas segregadoras que hoje dominam a civilização, têm a responsabilidade de se debruçar sobre estes problemas. É o que tentaremos fazer em nossa XIV jornada, e para tal convidamos os psicanalistas e demais interessados.
No século XX conhecido como o “Século da física” os planetas foram silenciados. Precisamos cuidar para que no século XXI já nomeado como o “Século da biologia” não tenhamos o mesmo destino.

As inscrições poderão ser feitas no período de 01 de setembro a 13 de outubro de 2009, pelo telefone (31) 3292.5776 ou diretamente na sede da EBP/Seção Minas Gerais, na Rua Felipe dos Santos, 588, das 15h às 21h, de segunda-feira à quinta-feira e sexta-feira de 13h às 18h.
No dia 16 de outubro as inscrições poderão ser feitas no local do evento, respeitando-se o limite de vagas.

Fonte: Cristiane Barreto

Deixe um comentário