ETC_BH no 4º ETC_Brasil em Curitiba

16 de março de 2010

Twitteiros falam de cultura política, mídia e marketing durante CICI2010

Fonte:  http://www.cici2010.org.br/News10065content95487.shtml

O encontro de twitteiros culturais, na tardedo dia 11/03, não se restringiu a assuntos da cultura. Pelo contrário – transformou-se em debate animado, com grande participação da plateia, onde falou-se não só da disseminação da cultura pelas redes sociais, mas também de política, mídia e marketing.

O espírito colaborativo e multifacetado começava na mesa de debatedores – todos devidamente conectados em seus laptops -  e na mesa da mediadora, Fernanda Musardo. Curitibana, uma das molas propulsoras do ETC Brasil – site que reúne os twitteiros culturais de várias cidades brasileiras – ela mediou o debate abrindo o microfone diversas vezes para o público. Atenta a todos os acontecimentos, Fernanda recebeu perguntas e participações tanto pelo twitter quando por bilhetinhos escritos a mão- muita gente na plateia admitiu não ter perfil no Twitter e estar ali para aprender sobre o microblog e redes sociais. Dessa forma, o diálogo teve espectro amplo, sem nenhuma discriminação entre os mais ou menos plugados.

Brincadeiras a parte – como quando um professor carioca perguntou se os twitteiros tomam “chope virtual”, ou quando o ecologista José Pedro Naisser contou que “quase casou com Yoko Ono” – os temas que vieram à tona foram pertinentes. Como quando a mineira Júlia Andrade Ramalho Pinto afirmou que não existem fórmulas prontas para usar o Twitter, fazer sucesso ou arrebanhar seguidores.

“O Twitter não é de ninguém. As redes sociais também não – nem as boas ideias. Assim é no ETC, não há centralização, e isso não é uma franquia que você vende com formato pronto. Tudo está sempre em transformação”, observou – no que foi confirmada por todos os debatedores da mesa, com a afirmação geral de que, em redes sociais, líderes surgem o tempo todo, a partir de emergências e circunstâncias.

Ney Queiroz, professor universitário, disse que “Não ser centro é a essência do ETC Brasil”: todos podem, afirmou, e esta é a essência das redes sociais.
Para Júlia, deve acontecer uma mudança de postura em relação ao uso do Twitter: em vez de “O que está acontecendo”, segundo ela, é mais interessante postar “O que estou vendo”. “O olhar atento é que diferencia e faz o post ficar interessante”. Para Queiroz, o fato de a ETC falar de cultura não é o determinante: “É uma rede social que tem a cultura como pano de fundo”.

Veja vídeo da palestra no CICI 2010:

Deixe um comentário