Ver e ouvir o diferente: Mineiridade

18 de junho de 2011

Confira como foi a Estação Pátio Savassi deste sábado, 18/06, que discutiu a mineiridade e sua forma de ver e ouvir o diferente.

Tags: , ,

2 comentários

  1. [...] encerrar, o Estação Pátio Savassi fechou com uma conversa sobre mineiridade, recebendo Rose Parreiras, Gabriela Demarco e Marcelo Cenni. [...]

  2. Marcos Bortolus disse:

    Ontem, estava presente no debate sobre comportamento mineiro. A Rose Parreiras busca como base para o entendimento da mineiridade a vida nas fazendas. Sai do debate pensando que esta base deva ser ampliada e me lembrei do clássico Casa Grande e Senzala e, é lógico, esta ampliação deve passar pela inclusão dos povos indígenas e povos afro-descendentes.

    Elementos que a Rose aponta como intimidade nas relações teriam mais haver com a vida na casa grande da fazenda ou com a convivência entre si dos índios e dos negros (que se tornariam os caboclos, os artesãos, os pescadores, os trabalhadores rurais, etc.)? E o gostar de ficar envolta do fogo ou fogão à lenha?

    Sobre a baixa autoestima (traço da brasilidade): quem foram os povos escravizados, tirados à força de suas terras, obrigados a esquecer as suas línguas e a sua identidade? E em que estado este processo teria sido um dos mais cruéis no Brasil? A trilha do dito desenvolvimento transforma aos poucos as terras em 3 desertos: o vermelho: fruto das minerações, o verde: plantando soja e eucalipto e o azul: barragens para as usinas hidrelétricas. Este processo desenvolvimentista foi devastador em Minas e continua…

    Na Av. Antônio Carlos tem uma equação pintada num barranco que resume bem a continuidade do processo desenvolvimentista no Brasil:

    COPA 2014 = DESPEJO

    Sobre isto e sobre o valor que o mineiro dá às suas relações de amizades tem um relato de um senhora que morava numa comunidade na beira da Av. Antônio Carlos. Este ano, ela foi transferida para um conjunto habitacional em outro bairro. Ela não reclamava do lugar onde ia morar, ela reclamava que tinha ficado distante de suas comadres, pois estas tinham sido transferidas para outros locais…

Deixe um comentário